Curiosidades

[Curiosidades][grids]

Internet

[Internet][grids]

Politica

[Politica][grids]

Tecnologia

[Tecnologia][grids]

Saúde

[Saúde][grids]

Astronomia

[Astronomia][grids]

Beleza

[Beleza][grids]

Ciência

[Ciência][grids]

Efeito de Troxler: ele explica a razão de enxergarmos monstros no espelho

Você alguma vez participou daquela brincadeira que consiste em olhar fixamente para o seu próprio reflexo em um espelho e ver como o seu rosto começa a se transformar em uma imagem toda distorcida ou como outras coisas começam aparecer em cena? Esse experimento deu origem a diversas lendas urbanas sinistras e inclusive foi usado em mais de um filme de terror — com efeitos horripilantes!


No entanto, as visões que a brincadeira induz (geralmente) não têm nada de sobrenatural e provavelmente podem ser explicadas por meio de uma ilusão de óptica conhecida como Efeito de Troxler. Segundo Sidney Stevens, do site Mother Nature Network, pelo menos é isso o que defende um cientista italiano chamado Giovanni Caputo — que conduziu alguns experimentos pra lá de fascinantes sobre esse fenômeno.

Fenômeno óptico

Caso você nunca tenha ouvido falar a respeito do Efeito de Troxler, ele consiste em um fenômeno de percepção visual descoberto por um médico suíço chamado Ignaz Paul Vital Troxler em 1804, e se caracteriza pela perda da visão periférica quando olhamos initerruptamente durante vários minutos para um ponto fixo. Você pode fazer o teste a seguir, que consiste em fixar o olhar no pontinho vermelho e notar como o círculo azul logo começa a desaparecer:

Mas, voltando aos experimentos de Caputo, ele pediu que 50 participantes olhassem para seus próprios reflexos em um espelho durante 10 minutos em um quarto com pouca iluminação. Segundo o italiano, 66% dos voluntários relataram ver enormes deformações em seus rostos, enquanto 18 % deles garantiram ver animais como porcos ou gatos. Ademais, 28% dos participantes disseram ver o surgimento pessoas desconhecidas no espelho, e 48% deles relataram enxergar seres monstruosos ou fantásticos.

E o que o Efeito de Troxler tem a ver com isso? Ele acontece como resultado da adaptação dos neurônios envolvidos na visão a estímulos pouco importantes. O que acontece é o seguinte: quando vemos algo diante de nós, os nossos olhos tendem a se fixar em um ponto central e a ignorar o que quer que seja considerado como desnecessário. Segundo Troxler (o médico), isso faz com que um maior poder de processamento seja liberado, melhorando a eficácia da nossa percepção visual.


Além disso, os cientistas acreditam que o Efeito de Troxler também pode afetar sistemas neurais envolvidos com outras partes do corpo. Pense, por exemplo, no que acontece com as pessoas que começam a usar óculos. No início, elas sentem o acessório pesando sobre o nariz e as orelhas, mas, após algum tempo, a percepção desaparece e é como se ele nem estivesse mais no rosto — ou você vai dizer que nunca viu alguém revirar a casa atrás dos óculos “perdidos” que estão bem diante de seus olhos!

Monstruosidades

No caso das curiosas ilusões no espelho, pelo menos as que se referem às distorções no próprio rosto, Caputo argumenta que elas ocorrem porque quando nos olhamos fixamente, as regiões periféricas da face começam a se dissolver ou distorcer — e é por isso que algumas pessoas veem suas bocas se transformando em coisas retorcidas e suas testas e sobrancelhas derretendo.
Com relação à visão de desconhecidos, animais e monstros, Caputo pensa que algo mais possa estar envolvido na formação da ilusão, como, por exemplo, um efeito dissociativo de identidade. Segundo essa teoria, o cérebro possivelmente “bagunça” as regiões periféricas do rosto que saem de foco e as recria com novas feições — só que algumas vezes elas resultam ser assustadoras.


E aí, caro leitor, agora que você já sabe que as visões que temos ao olhar fixamente para o espelho são (possivelmente) meras ilusões de óptica, você se arriscaria a fazer a brincadeira sem medo? Se você fizer — ou já fez —, não deixe de contar para a gente como foi nos comentários!

Nenhum comentário: